Sábado, 25 de maio de 2024

COLUNISTAS

Denis Luciano

Comércio de Criciúma não vai abrir na quinta-feira

06/06/2023 21h45 | Por: Denis Luciano
Arquivo / SCTodoDia

Por falta de acordo entre empregadores e trabalhadores, as lojas de rua e os shoppings centers de Criciúma estarão de portas fechadas nesta quinta-feira (8), em pleno Corpus Christi. A causa é de simples explicação: os patrões fizeram uma oferta, o sindicato dos empregados contrapôs com uma exigência "pouco republicana" e, no fim das contas, o comércio ficará de portas fechadas. A situação parece remontar tempos vencidos na poeira do passado, mas é absoluta e infelizmente atual.

O advogado do sindicato dos lojistas, Tito Lívio de Assis Góes, conta que no dia 1º o Sindilojas fez a sua proposta: bônus de R$ 80, vale transporte, vale alimentação e um dia de folga a ser gozado posteriormente. Até aí, os trabalhadores estavam no direito de negar, desejar algo melhor. Faz parte. 

Mas daí veio o problema. Na contraproposta, o Sindicato dos Comerciários condicionou o acordo à assinatura de contribuição negocial profissional. Trocando em miúdos, que os lojistas antecipassem o pagamento ao sindicato de uma contribuição de R$ 60, de duas parcelas de R$ 30 previstas para junho e setembro, o que não foi aceito.

Procurei a presidente do Sindicato, Juliana Oliveira. Eleita em dezembro, encarou sua primeira mesa de negociações. Além de não se sair bem nessa tarefa, já incorreu em um erro que sindicalista não pode incorrer: não quis dar entrevistas, o que é no mínimo estranho e beira o inédito. Resumiu-se a uma nota recheada de termos técnicos, alguns confusos, e não respondeu à questão principal: condicionar o acordo de abertura em uma data pontual a uma contribuição ao sindicato, é correto ou não? O colunista, cumprindo seu papel de ler cenários e pesar fatos, entende que não.

Vamos à nota do sindicato, que substitui a fala de uma sindicalista (algo que nunca vi em quase 30 anos de atuação profissional): a presidente Juliana alega que "o trabalho no dia 8 de junho está vedado por lei, por ausência de autorização sindical". Ela entende que o Corpus Christi é feriado, e não ponto facultativo, e que a Convenção Coletiva encaminhada no fim de março, levando em conta a data base de 1º de maio, está vencida, e que a Comissão de Negociação Patronal foi constituída apenas em 26 de maio.

Apontou, no seu dever, discordância com a proposta do Sindilojas, de reajuste de 3,83% nos salários, o que de fato é um índice extremamente baixo (consegue ser menor que o reajuste dos servidores públicos de Criciúma). E mais: a presidente sublinhou que "o Sindicato Patronal apresentou contraproposta que não possui pagamento aos empregados para o trabalho em feriados". Mas tudo isso no âmbito da Convenção Coletiva, que rege o acordo para o ano inteiro. 

Sobre a proposta específica para o Corpus Christi, a nota do Sindicato dos Comerciários justifica a resposta negativa afirmando que a oferta "consistia apenas na prorrogação da Convenção Coletiva anterior" e que "os direitos e interesses dos empregados compreendem, também, a garantia de pagamento justo para o trabalho em TODOS os feriados autorizados e esses valores ajudam a economia da região e voltam para os empresários, pois os empregados também são consumidores". E menciona sutilmente a tal pedida de R$ 60 por trabalhador, citando que o sindicato patronal requer "o fim da única fonte de custeio do Sindicato Profissional". O que nos leva à principal indagação, que a presidente não quis responder: é justo usar a remuneração de um ponto facultativo, ou feriado, como moeda de troca para obter ganhos para o sindicato?

No fim da nota, a despeito de "compreender a insatisfação de alguns empresários sobre o fechamento do comércio e lojas de shopping centers no próximo feriado", a sindicalista aponta otimismo com negociações futuras e sugere aos empregados que "aproveitem o feriado para descanso, lazer e o convívio familiar". Sem dúvida, os trabalhadores merecem descansar.

Denis Luciano

Denis Luciano

Denis Luciano é jornalista e radialista com 28 anos de experiência em rádio, TV, jornal e web em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além de professor universitário. Apresentador e coordenador da Rádio Cidade em Dia.

Opiniões do colunista não representam necessariamente o portal SCTODODIA.com.br

VER COLUNAS
SCTODODIA - Ligados em tudo Grupo Catarinense de Rádios
Alfredo Del Priori, 430 Centro | Criciúma - SC | CEP: 88801630
(48) 3045-5144
SCTODODIA - Ligados em tudo © Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.