SCTODODIA - Ligados em tudo

Escolha a sua região:

Invista no posicionamento digital da sua empresa com o Estúdio SContime!CLIQUE AQUI
Terça, 24 de maio de 2022

COLUNISTAS

Eduardo Mota Pereira

Complexo de vira-lata

18/12/2021 08h00 | Atualizada em 18/12/2021 14h27 | Por: Eduardo Mota Pereira

Todos aqueles que costumam estudar a história brasileira ou a formação do Brasil enquanto nação, já devem ter se deparado com a famosa colocação do escritor e dramaturgo Nelson Rodrigues, de que o brasileiro sofre de um “complexo de vira-latas”.

O brasileiro, de acordo com Nelson, cospe na própria imagem e se coloca em uma situação de inferioridade em relação ao restante do mundo. Para o escritor, não há razões históricas que possam justificar uma autoestima maior para o brasileiro.

Estudar a história do país e tentar entender como chegamos até aqui é um dos meus hobbies favoritos. Sempre tive muita curiosidade a respeito das teorias que tentavam explicar a personalidade do brasileiro médio.

O suposto “vira-latismo” brasileiro é um tema que já fora amplamente abordado ao longo da nossa história, sendo o conceito elaborado por Nelson Rodrigues o mais conhecido. Antes de iniciar efetivamente a minha argumentação sobre o assunto, gostaria de relatar aos leitores uma situação que despertou meu interesse nesse tema específico.

Certa vez, fui convidado para fazer um trabalho em uma escola do município de Capivari de Baixo, que possui muitos alunos imigrantes venezuelanos. O trabalho consistia em produzir um documentário onde os pais desses alunos contavam suas histórias de vida. Um fator que me deixou intrigado foi a forma como essas pessoas (e também os alunos) se referiam a seu país.

Eles falavam da crise, evidentemente, mas quando se tratava da cultura venezuelana e o desejo de voltarem quando as coisas melhorarem. Consegui enxergar um forte patriotismo e orgulho por parte dos venezuelanos pelo seu país, algo que nunca enxerguei nos brasileiros. Na realidade, brasileiro quase sempre crítica, até mesmo coisas que são positivas.

Mas, por que isso acontece? Bom, apesar do profundo colapso social pelo qual passa a Venezuela, nossos vizinhos tiveram momentos gloriosos em sua história, quando já foram, inclusive, um dos países mais ricos do mundo. Pode-se afirmar que os venezuelanos, de certa forma, têm em sua história uma razão para se orgulhar, apesar do momento atual em que o país se encontra.

E o Brasil? Pegando carona na visão de Nelson Rodrigues, pouco há em nossa história, momentos ou situações, em que o Brasil pudesse merecer ser reconhecido por outros países como uma grande nação, respeitada por todos. Na realidade, há algumas feridas que até hoje não cicatrizaram (como ter sido o último país a abolir a escravatura, fato que até hoje impacta negativamente nas nossas condições socioeconômicas, em especial, da população negra).

Indo além do fator histórico, o que identifica um povo como nação? A sua língua? Cultura? Religião? Quando se fala em nação, a primeira palavra que me vem à mente é pertencimento, ou seja, a percepção das pessoas de que são parte de algo maior.

Partindo desse pressuposto, percebo que falta no Brasil algo maior além de língua, uma bandeira, um hino e alguns outros símbolos que nos identificam de fato como brasileiros. Algo que nos orgulhe, que una todos em torno de um mesmo sentimento. E não é fácil encontrar esse “algo”, essa figura, esse símbolo, em um país continental com mais de 200 milhões de habitantes.

OUÇA NOSSAS RÁDIOS

SCTODODIA - Ligados em tudo Grupo Catarinense de Rádios
Alfredo Del Priori, 430 Centro | Criciúma - SC | CEP: 88801630
48 3045.5144
SCTODODIA - Ligados em tudo © Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.