Sexta-feira, 24 de maio de 2024

COLUNISTAS

Katiane Vieira

Escapando da armadilha da comparação 

30/01/2024 09h00 | Por: Katiane Vieira

Em um mundo cada vez mais conectado e dominado pela presença das redes sociais, a prática da comparação tem se tornado um fenômeno quase inescapável. Estudos recentes indicam um aumento significativo nos sentimentos de inadequação e autocrítica, especialmente quando nos medimos contra os padrões de sucesso e felicidade apresentados online. Um estudo da Universidade de Stanford apontou que a comparação frequente com os outros nas redes sociais pode levar a um maior sentimento de descontentamento e insatisfação com a própria vida. 

Mas, o que realmente está por trás desse impulso de se comparar constantemente? E mais importante, como podemos transcender essa tendência e abraçar nossa própria jornada, valorizando nossas conquistas individuais e qualidades únicas? 

Neste artigo, exploraremos as raízes da comparação, os efeitos prejudiciais que ela pode ter sobre nossa autoimagem e bem-estar, e discutiremos estratégias eficazes para superar esses sentimentos de inadequação, redirecionando nosso foco para o autoconhecimento e crescimento pessoal. 

 

Entendendo a inadequação e a comparação 

A psicologia moderna sugere que a comparação é uma tendência natural humana, mas quando exacerbada, pode levar a sentimentos de inadequação e baixa autoestima. Um relatório da Psychological Science revelou que a comparação constante, especialmente nas redes sociais, está intimamente ligada a sentimentos de insatisfação e até depressão. 

 

Estratégias para superar a comparação e a inadequação 

Reconhecimento das próprias realizações: Focar nas próprias conquistas e progressos, em vez de se fixar no que outros estão fazendo, ajuda a construir uma autoimagem positiva e reduzir a sensação de inadequação. 

Construção de uma mentalidade de crescimento: Adotar uma mentalidade de crescimento, conforme delineado pela psicóloga Carol Dweck, pode ser um meio poderoso de superar a tendência de comparação. Isso envolve a crença de que suas habilidades e inteligência podem ser desenvolvidas com o tempo e esforço. 

Limitação da exposição às redes sociais: Estabelecer limites saudáveis ​​no uso de redes sociais pode diminuir a tendência à comparação e melhorar o bem-estar mental. 

Prática da gratidão: A gratidão nos ajuda a apreciar o que temos, em vez de sempre desejar o que não temos. Manter um diário de gratidão pode ser uma prática eficaz para cultivar uma atitude mais positiva. 

A comparação, se não controlada, pode ser uma armadilha perigosa, levando a um ciclo de insatisfação e autocrítica. No entanto, ao adotar práticas de autoaceitação, gratidão e limitando a exposição a estímulos negativos, como as redes sociais, podemos começar a apreciar nossa própria jornada única. Este artigo é um convite para refletir sobre como podemos nos libertar da armadilha da comparação e abraçar nossa própria grandeza, descobrindo a alegria e satisfação que vem com o reconhecimento de nossas conquistas e qualidades únicas. 

Katiane Vieira

Desenvolvimento 360º

Escritora, treinadora e palestrante com foco em mudança de comportamento. Graduada em marketing, mestre em gestão de negócios e gestão de pessoas, várias formações e especializações em ciência do comportamento como: psicologia positiva, mindfulness, liderança, autoconhecimento, inteligência emocional, programação neurolinguística (PNL), coaching e neurociência do comportamento. Autora de vários livros sobre desenvolvimento humano e fundadora do Método E.C - Expansão da Consciência.

Opiniões do colunista não representam necessariamente o portal SCTODODIA.com.br

VER COLUNAS
SCTODODIA - Ligados em tudo Grupo Catarinense de Rádios
Alfredo Del Priori, 430 Centro | Criciúma - SC | CEP: 88801630
(48) 3045-5144
SCTODODIA - Ligados em tudo © Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.