Sábado, 25 de maio de 2024

COLUNISTAS

Luiz Gustavo Kabelo

Pensamento superficial inseparável da convicção

13/12/2023 08h23 | Por: Luiz Gustavo Kabelo

Os comentários nas redes sociais, sobre política principalmente, resultam em debates frágeis, repletos de efeitos, embasados em um vazio com pouco ou nenhum embasamento. O que temos no Brasil e no mundo hoje nos leva a uma inércia, uma imobilidade que impede de nos desenvolvermos enquanto sociedade.

Ali, existe claramente uma filosofia do embate, em que encontramos influencers e políticos, -que são quase a mesma coisa- ensinando os sujeitos a retrucarem provocações, ou ensinado seus seguidores a criarem uma “sinuca de bico” para seus opositores. E me digam: qual o valor de uma frase de efeito sem ter algo que a fundamente? Nenhum! E é exatamente isso que é radicalmente viralizado nas redes.

Eu não sei se foi o método científico que aprendi na faculdade ou se sou apenas uma pessoa cética, - provavelmente a união dos dois – mas busco cuidar com o que ponho nas redes, checo as informações, pois acredito que somos responsáveis pelo que criamos e replicamos. Para mim, um dos elementos mais importantes é o bom senso.

Este é justamente um dos problemas: como se ensina o bom senso? Como falar para seu tio, tia ou aquela pessoa que acredita em tudo que vê na internet e que, sem sombra de dúvidas, o que ele compartilhou ou te mostrou na tela do celular é falso?

O grande problema é que se criam convicções, -sem embasamento - e quando a informação chega, e ela tem vínculo com essa convicção, já não importa a fonte, não importa nem a intenção do interlocutor. Assim, o que passar a importar é aquele impulso elétrico de prazer que o cérebro recebe, anestesiando e afagando quem consome o conteúdo.

E daí sai o pior, pois as pessoas acabam concordando com algo maléfico, porque o político em que ela direciona todas as suas frustações, todas as suas desilusões está ali, perdendo de alguma forma, sendo humilhado de alguma forma, dando a tão sonhada satisfação de vingança. Então, nosso vingador se diverte com o circo, e de migalha em migalha vai sendo domesticado. Nisso, as inverdades aumentam junto com o tom de crueldade e nosso “vingador”, já sem filtro, se torna perverso e maldoso.

Mas tudo é feito para tal, para nos transformarmos em bobos, compartilhando ninharias, transformando o debate em algo raso, que não se desenvolve e se solidifica. Eu queria muito citar a deputada que se tornou a maior discípula desse movimento, que eu chamo de movimento do “engajamento maldoso”, mas irei me poupar da dor de cabeça...

O bom senso pode ser praticado de várias formas: ouvindo um podcast confiável, lendo um livro com referências consistentes e, até mesmo, em conversas que girem em torno de fontes verificáveis e conscientes. E, é claro, é possível praticar o bom senso, principalmente, desviando da idolatria.

 

 

Luiz Gustavo Kabelo

Além do Eu

Luiz Gustavo Pereira é compositor e escritor com dezenas de trabalhos lançados por bandas e sua produtora. É acadêmico de Psicologia e foi um dos fundadores da Liga Acadêmica de Saúde e Espiritualidade (Lasesp) e é membro da Liga Acadêmica de Psicanálise (Lepsic).

Opiniões do colunista não representam necessariamente o portal SCTODODIA.com.br

VER COLUNAS
SCTODODIA - Ligados em tudo Grupo Catarinense de Rádios
Alfredo Del Priori, 430 Centro | Criciúma - SC | CEP: 88801630
(48) 3045-5144
SCTODODIA - Ligados em tudo © Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.