SCTODODIA - Ligados em tudo

Escolha a sua região:

Segunda-feira, 18 de outubro de 2021
Geral

"Não atendem às normas do edital", diz procuradora-geral de Contas sobre irregularidades na compra de máscaras

O Ministério Público de Contas de Santa Catarina pediu a suspensão de um contrato de compra de máscaras da Secretaria de Estado da Saúde devido a irregularidades no processo. Segundo o órgão, as máscaras entregues não atendem às normas técnicas e à exigência do edital.

Santa Catarina, 20/09/2021 15h00 | Atualizada em 20/09/2021 15h34 | Por: Lara Silva | Fonte: Rádio Cidade Tubarão
Foto: Pexels

O Ministério Público de Contas de Santa Catarina pediu a suspensão de um contrato de compra de máscaras da Secretaria de Estado da Saúde devido a irregularidades no processo. Segundo o órgão, as máscaras entregues não atendem às normas técnicas e à exigência do edital. Em maio, inclusive, deputada Luciane Carminatti (PT) denunciava baixa qualidade das máscaras entregues aos professores. Até o momento, o Estado desembolsou mais de R$ 3,5 milhões neste contrato. A procuradora-geral de Contas de Santa Catarina, Cibelly Farias, explica a denúncia. "No início desse ano, o MPC recebeu uma denúncia anônima, com um vídeo, dando conta da má qualidade das máscaras distribuídas à rede estadual de ensino. Após o recebimento, instauramos um procedimento investigativo, solicitamos documentos e amostras dessas máscaras, que foram encaminhadas ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo", explica.

Cibelly detalha as principais razões que divergem a máscara apresentada da que foi exigida. Isso é considerado algo grave pelo Ministério Público de Contas. "O edital exigia que fossem três camadas e a máscara apresentada tinha apenas uma camada. As máscaras não conseguem filtrar a quantidade de partículas conforme o edital", comenta.
 

publicidade

Uma vez confirmado que as máscaras não atenderam ao que foi disposto no edital e às normas técnicas, a empresa pode estar sujeita a algumas penalidades previstas em lei, que vão desde advertência até aplicação de multa de até 25% do valor do contrato ou até mesmo suspensão de contratar e licitar com a Administração Pública por até cinco anos.

Até o fechamento da matéria, não obtivemos retorno da Secretaria de Estado da Educação, mas em nota, a pasta afirmou a determinação pelo recolhimento de máscaras irregulares distribuídas à rede estadual de ensino. Segundo a Secretaria, a fiscalização dos produtos segue ocorrendo por amostragem e um ofício foi encaminhado às escolas orientando as unidades de ensino a devolverem materiais que não atendam às especificações mínimas.
 

OUÇA NOSSAS RÁDIOS

SCTODODIA - Ligados em tudo Grupo Catarinense de Rádios
Alfredo Del Priori, 430 Centro | Criciúma - SC | CEP: 88801630
48 3045.5144
SCTODODIA - Ligados em tudo © Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.