SCTODODIA - Ligados em tudo

Escolha a sua região:

Domingo, 24 de outubro de 2021
Mundo

Cientistas registram que buraco de ozônio já está maior que a Antártida

Repetindo a tendência do ano passado, em 2021 o buraco de ozônio revela dimensões maiores que o normal.

Mundo, 16/09/2021 21h05 | Atualizada em 17/09/2021 07h41 | Por: Beatriz Godoy Taveira | Fonte: Metsul Meteorologia
Compostos químicos como os CFCs se acumulam dentro do vórtice polar e as temperaturas extremas promovem reações químicas que destroem a camada de ozônio. Foto: Divulgação/Metsul

Os pesquisadores do Serviço de Monitoramento da Atmosfera Copernicus, da União Europeia, divulgaram dados que mostram que o buraco de ozônio já está maior que a Antártida. De acordo com o monitoramento feito pelos cientistas, o buraco está crescendo rapidamente e é maior que 75% dos buracos de ozônio nessa época do ano, fim do inverno e começo da primavera, desde 1979.

Durante esse período, o buraco de ozônio se forma no Polo Sul e se fecha ao decorrer da primavera, ou perto do verão. Em 2020, o buraco foi se fechar apenas perto do Natal, tendo sido um dos mais longos e com maior dimensão que já havia sido observado até hoje pelos cientistas. Recordes que foram desbancados pelo buraco de 2021, que, de acordo com o centro europeu, já está entre os 25% maiores nos registros desde 1979, e pode aumentar ainda mais.

Segundo os pesquisadores do Copernicus, um buraco de ozônio grande ou pequeno não significa que o processo geral de recuperação da camada não esteja ocorrendo conforme o esperado, mas pode sinalizar qual atenção especial deve ser dada e quais pesquisadas podem ser direcionadas a fim de estudar quais razões levam a esse evento nesses anos específicos.

publicidade

As temperaturas muito baixas no inverno de 2021, principalmente na maior parte do continente antártico, que contou com muitas áreas de inverno mais gelado que o habitual, pode ser um dos motivos que explicam o fenômeno nesse ano. Apesar disso, os cientistas afirmam que a degradação da camada de ozônio se dá por gases de fabricação humana chamados de CFCs.

Sendo desenvolvidos pela primeira vez na década de 1930 para o uso em sistemas de refrigeração e implantados como propelentes em latas de spray aerossol, os CFCs foram proibidos em 197 países ao redor do mundo, inclusive no Brasil, que proibiu a importação do gás em 2007.

Desde a sua proibição, a camada de ozônio tem mostrado sinais de recuperação, mas, segundo os cientistas, é um processo lento, que pode demorar até 2070 para eliminar completamente as substâncias destruidoras. Com condições climáticas normais, nos últimos anos o buraco na camada de ozônio cresceu até um máximo de 20 milhões de quilômetros quadrados.

OUÇA NOSSAS RÁDIOS

SCTODODIA - Ligados em tudo Grupo Catarinense de Rádios
Alfredo Del Priori, 430 Centro | Criciúma - SC | CEP: 88801630
48 3045.5144
SCTODODIA - Ligados em tudo © Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.