Sábado, 25 de maio de 2024

COLUNISTAS

Gisele Victor Batista

Conservação do Solo e ODS 15: estratégias para o desenvolvimento sustentável

17/04/2024 09h32 | Por: Gisele Victor Batista

Fundamental para a agricultura e habitação, o solo sustenta a vida terrestre e a diversidade biológica. É fonte vital para a produção alimentar e preservação ambiental, mas este recurso natural enfrenta ameaças severas devido ao desmatamento e ações humanas prejudiciais e especialistas alertam para a urgência de medidas sustentáveis para proteger este patrimônio crucial.
 

A conservação do solo desempenha um papel fundamental na proteção do meio ambiente e no combate às mudanças climáticas. O desflorestamento é uma das principais causas da degradação do solo, especialmente pela remoção das florestas para dar lugar à agricultura, pecuária e outras atividades humanas, resultando na perda de cobertura vegetal que protege o solo contra a erosão, a compactação e a perda de nutrientes. Sem a proteção das árvores e das plantas nativas, o solo está exposto aos elementos, sujeito à erosão causada pelo vento e pela água, o que pode levar à sua degradação e desertificação.


De acordo com relatório recente da Organização das Nações Unidas, o manejo inadequado do solo não apenas reduziu a produtividade agrícola global em 23%, mas também resultou em perdas equivalentes a 10% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial em 2010. A pesquisa, divulgada pela WWF em 2019, aponta ainda que um terço da superfície terrestre e três quartos da água doce do planeta são utilizados para atividades agropecuárias, ressaltando a urgência de adotar práticas de manejo sustentáveis para evitar prejuízos econômicos e ambientais ainda maiores.

A perda da biodiversidade também está intrinsecamente ligada à conservação do solo. Os ecossistemas saudáveis, como florestas, savanas e áreas úmidas, abrigam uma grande variedade de organismos vivos, desde microrganismos no solo até plantas e animais. Essa biodiversidade é essencial para a fertilidade do solo, a polinização das plantas, o controle de pragas e doenças, e muitos outros serviços ecossistêmicos que sustentam a vida na Terra. No entanto, o desflorestamento e outras atividades humanas estão levando à perda acelerada da biodiversidade, o que compromete a capacidade dos ecossistemas de sustentar a vida e de se adaptar às mudanças ambientais.

A utilização intensiva de recursos no Brasil pela agropecuária coloca em cheque a sustentabilidade do setor, com 72% dos recursos hídricos e 41% do território nacional — aproximadamente 350 milhões de hectares — dedicados a essa atividade. O recente Censo Agropecuário conduzido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que 18% dessas áreas já sofrem com a degradação e problemas como compactação do solo, erosão, salinização e contaminação química desafiam a viabilidade da agricultura, exacerbados pelo manejo inadequado, tráfego pesado de animais e o uso excessivo de fertilizantes e pesticidas.

Além disso, as mudanças climáticas estão exacerbando os desafios enfrentados pela conservação do solo e da biodiversidade. O aumento das temperaturas, as mudanças nos padrões de chuva e outros impactos das mudanças climáticas estão aumentando a frequência e a gravidade de eventos extremos, como secas, enchentes e tempestades, que podem causar danos significativos ao solo e aos ecossistemas. Por exemplo, secas prolongadas podem levar à desertificação e à degradação do solo, enquanto enchentes intensas podem causar erosão e perda de nutrientes do solo.

Diante desses desafios, é crucial adotar práticas de manejo sustentável do solo e promover a restauração de ecossistemas degradados. Técnicas que ajudem a proteger o solo contra a erosão e a promover a recuperação da biodiversidade atende ao ODS 15 “Vida Terrestre” -  Meta 15.3 - Até 2030, combater a desertificação, restaurar a terra e o solo degradado, incluindo terrenos afetados pela desertificação, secas e inundações, e lutar para alcançar um mundo neutro em termos de degradação do solo.

Para saber mais sobre Agenda 2030 e os ODS, visite @harpiameioambiente

Venha fazer parte das transformações que o mundo precisa!

Se você ou sua empresa pode fazer mais e melhor para cuidar das pessoas e do planeta, faça parte do Movimento Nacional ODS SC. É um movimento social constituído por voluntários, de caráter suprapartidário, plural e ecumênico, com a finalidade de contribuir para a melhoria da qualidade de vida da sociedade catarinense. Busca a construção de uma sociedade melhor, socialmente inclusiva, ambientalmente sustentável e economicamente equilibrada.
https://sc.movimentoods.org.br

Fontes de pesquisa: 
PES, Luciano Zucuni. GIACOMINI, Diego Antonio. 2017. Conservação do Solo. UFMS: Santa Maria – RS. Disponível em: https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/413/2018/11/10_conservacao_solo.pdf. Acesso: março/2024
https://www.wwf.org.br/?71982/Perda-de-solo-prejudica-producao-e-meio-ambiente
 

Gisele Victor Batista

Sustentabilidade em Pauta

Top Voice Sustentabilidade
e ESG LinkedIn

Diretora da Harpia Meio Ambiente
Coordenadora Adjunta de Mobilização do Movimento Nacional ODS SC
contato@harpiameioambiente.com.br

Opiniões do colunista não representam necessariamente o portal SCTODODIA.com.br

VER COLUNAS
SCTODODIA - Ligados em tudo Grupo Catarinense de Rádios
Alfredo Del Priori, 430 Centro | Criciúma - SC | CEP: 88801630
(48) 3045-5144
SCTODODIA - Ligados em tudo © Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.