Quarta-feira, 19 de junho de 2024
Mundo

Misteriosa “ilha da morte” britânica foi palco de experimentos secretos na Segunda Guerra Mundial

Conhecida como “ilha do antraz”, até hoje não se sabe ao certo o alcance das contaminações no local

Gruinard - ESC, 29/04/2024 22h46 | Por: Maiquel Machado
Foto: Divulgação

A exixtência de um plano do governo britânico para lutar contra o Exército nazista com uma arma biológica devastou uma pequena ilha no noroeste da Escócia contaminada por antraz e fechada ao público por quase cinco décadas. O alcance total da operação é, até hoje, um mistério.

A desabitada ilha de Gruinard, que passou a ser conhecida como “ilha do antraz” ou “ilha da morte”, foi declarada segura em 1990, mas a vida nesse santuário de aves, a menos de uma milha da costa escocesa, nunca voltou ao normal.

Tudo começou no fim de 1941, em plena Segunda Guerra Mundial. Naquele ano, ante a ameaça de uma possível invasão alemã e o medo de que os nazistas pudessem ter desenvolvido uma bomba biológica, o premiê britânico Winston Churchill (1874-1965) ordenou aos cientistas de uma instalação inglesa confidencial chamada Porton Down que pensassem em alguma arma para lançar contra os alemães.

Após alguns meses de pesquisa, a equipe dessa instalação militar encontrou uma forma de usar uma cepa virulenta do bacillus anthacis – também conhecido como antraz – contra os alemães.

Era o nascimento da Operação Vegetariana.

Segundo Paul Fildes, na época diretor de biologia do laboratório secreto do Ministério da Defesa britânico, se o Reino Unido lançasse sobre a Alemanha ração e forragem contaminados por antraz, o abastecimento de carne e produtos lácteos seria gravemente afetado, e provavelmente haveria um grande surto entre a população humana e uma onda de pânico.

Entusiasmadas com a ideia, em 1942 as autoridades militares britânicas tentavam testar o plano com urgência, mas onde? Como? Era necessário encontrar um lugar remoto de testes, que fosse desabitado e isolado, mas acessível.

A remota ilha de Gruinard, na metade do caminho entre Gairloch e Ullapool, e de apenas 2km², foi rapidamente avaliada pelo Ministério da Defesa em 1942.

Finalmente, as autoridades decidiram comprar por 500 libras a ilha de seus proprietários, Molly Dunphie e seu marido, o coronel Peter Dunphie, um confidente próximo de Churchill naqueles tempos de guerra. Assim que a bela e desabitada ilha se converteu em testemunha da tentativa de desenvolvimento de uma arma de destruição em massa.

publicidade

O experimento

O que realmente aconteceu na ilha foi fonte de mistério e rumores até que um vídeo do Ministério da Defesa deixou de ser sigiloso e mostrou mais detalhes do experimento.

“Eles queriam testar a viabilidade do antraz como arma e testar seus efeitos”, explica à BBC News Mundo (serviço de notícias em espanhol da BBC) o historiador escocês Rory Scothorne.

Os cientistas de Porton Down guardaram as bombas de antraz e seguiram ao norte. Ao chegar lá, transportaram à ilha 80 ovelhas, que foram colocadas em caixas individuais, enfileiradas, para receber uma nuvem tóxica de antraz.

A cepa escolhida era tão virulenta que todas as ovelhas morreram em 3 dias.

O antraz é uma bactéria letal, especialmente se inalada, e resulta em morte em quase todos os casos, mesmo com tratamento médico.”A bactéria forma esporas. Se elas estiverem no ar e você as respirar, elas entrarão em seu sistema respiratório, chegarão ao pulmão e as pequenas sementes formarão as bactérias, que começarão a crescer e causarão a morte. É bastante letal”, explica a microbiologista Clare Taylor.

Consequências

Os cientistas não calcularam, em 1942, o alcance de expor os animais ao antraz em uma ilha tão próxima à costa escocesa. Depois de vários testes, eles comprovaram que a maior parte do solo da ilha estava contaminado – e a contaminação havia chegado às zonas costeiras da Escócia.

Seis meses depois do experimento, entre 30 e 50 ovelhas, sete vacas, dois cavalos e três gatos morreram. Algo que o governo tentou ocultar.

Em 1944, o acesso à ilha foi completamente proibido, uma vez que era propriedade do governo. Só 24 anos depois do experimento que cartazes passaram a advertir para a presença do antraz.

Leia mais

SCTODODIA - Ligados em tudo Grupo Catarinense de Rádios
Alfredo Del Priori, 430 Centro | Criciúma - SC | CEP: 88801630
(48) 3045-5144
SCTODODIA - Ligados em tudo © Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.